quinta-feira, 1 de maio de 2014

Inveja Oculta

Salmos 73:3
Pois tive inveja dos arrogantes quando vi a prosperidade desses ímpios. Eles não passam por sofrimento e têm o corpo saudável e forte.

A inveja existe no coração de cada um.
Mas ninguém admite invejar.
Muitos colocam outros nomes na inveja, por exemplo "ambição", "metas", "sonho", "crescimento", "saúde"... mas será mesmo verdade?

Querer mais, ter ambição, metas, sonhar ter, conquistar ou construir são objetivos até dignos... mas o que está por traz? Qual nossa intenção? Qual nossa real necessidade?

Para que ter mais dinheiro?
Para desperdiçar mais com qualquer coisa?
Para comer em qualquer lugar independente do preço?
Para comprar coisas que usaremos uma só vez?
Para acumular coisas e assim precisar de uma casa maior?
Para exibirmos que temos?
Para ser aceito em algum lugar?
Para ser invejado?
...

Em fim, o que eu compro eu realmente preciso?
Se eu já vivi todos estes anos sem, porque eu preciso tanto agora?

E justo adicionar coisas ao longo da vida, afinal com o passar dos anos as necessidades mudam... casamos... vem os filhos... a idade...

Porque queremos dar aos filhos tudo o que não tivemos? Seria isso uma inveja tardia? Uma frustração que projetamos sobre nossa continuidade?

Porque queremos fazer exercício? Para ter uma boa saúde ou corpo bonito invejável.

Ao fica mais velho o custo de vida aumenta, patrocinar os filhos, escola, convênio, carro, casa... por isso, ter ambição e crescer profissionalmente e financeiramente é bom, mas qual o limite? Qual o limiar entre o materialismo ganancioso, e a necessidade de suprir as família?

A única coisa que realmente precisamos é de Deus, o restante Deus proverá se diretamente necessário

Mateus 6:33
Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas lhes serão acrescentadas.